Agarrando-se à esperança despertada pelos milhares de bilhões de dólares investidos pelos bancos centrais e governos para combater a crise do coronavírus, os mercados europeus se recuperavam nesta sexta-feira e Wall Street parece prestes a fazer o mesmo.

Desde a abertura, a Europa retomou a trajetória ascendente do dia anterior, com altas significativas.

Por volta das 12h45 (7h45 de Brasília), Paris registrava alta de 4,94%, Londres 1,54% e Frankfurt 4,13%. Milão subia 2,12% e Madri 3,62%.

Do outro lado do Atlântico, o índice futuro do Dow Jones Industrial Average subia 2,45%, e o do índice S&P 500 1,98%, e o do Nasdaq 3,34%.

A Ásia, apesar de uma abertura positiva, não conseguiu manter o rumo, em particular Tóquio, arrastada pela queda histórica do Softbank.

No mercado da dívida, principal beneficiário das medidas monetárias, os sinais eram alentadores para quase todos os países, começando pela Itália.

“Ontem, o índice S&P 500 sofreu uma variação de menos de 1% pela primeira vez em 13 sessões. Isso pode ser o começo de um sinal de estabilização”, aponta Alain Zeitouni, diretor administrativo da Russell Investments France, com sede em Londres.

“As medidas mais recentes dos bancos centrais e governos, com alcance muito superior às tomadas inicialmente, têm um efeito estabilizador nos mercados financeiros”, destaca Tangi Le Liboux, estrategista da corretora Aurel BGC.

A situação permanece crítica, no entanto, com mais de 10.000 mortes por coronavírus e um constante fortalecimento dos confinamentos.

Diante dessa catástrofe planetária, nenhuma autoridade está economizando nos meios empregados. A princípio insensíveis a esses esforços, os mercados começam a se tranquilizar.

“Houve 34 cortes nas taxas de juros pelos bancos centrais desde o início do ano, US$ 4 trilhões em medidas de flexibilização e US$ 2 trilhões em programas fiscais anunciados”, resume Zeitouni.

Os republicanos do Senado dos Estados Unidos apresentaram na quinta-feira um pacote de ajuda de aproximadamente 1 trilhão de dólares para salvar a economia americana, enquanto 70.000 pessoas foram demitidas em uma única semana no país.

Após as medidas radicais do Fed, o Banco Central Europeu (BCE) divulgou na quarta-feira um plano de “emergência” de 750 bilhões de euros em recompras de dívidas públicas e privadas.

– Empresas menores –

O fato de o presidente americano Donald Trump ter divulgado na quinta-feira o recurso à cloroquina, um medicamento usado para o tratamento da malária, para tratar o coronavírus, depois dos resultados encorajadores na China e na França, também ofereceu apoio significativo.

“Para um novo medicamento, existe um longo circuito de aprovação, mas se um medicamento existente tiver um efeito sobre o coronavírus, seria um elemento muito importante”, observa Zeitouni.

Na Europa, “também poderemos medir com a Itália o efeito das medidas de contenção”, antecipa.

No mercado de câmbio, o euro se recuperava esta manhã, depois de cair na quinta-feira ao nível mais baixo em três anos, em relação ao dólar.

Os preços do petróleo, bastante enfraquecidos pela crise, também continuam subindo. Por volta das 12h45 (8h45 de Brasília), o barril de Brent do Mar do Norte para entrega em maio subia 3,41% (29,44 dólares) e em Nova York, o barril de WTI para abril subia 4,64% (26,39 dólares).

Para Zeitouni, o que preocupa mais neste momento é “a sobrevivência a curto prazo das empresas mais frágeis”.

Pesos pesados, como a Apple, têm caixa, mas outros podem sobreviver apenas alguns meses sem a entrada de dinheiro por causa dos confinamentos.

“E é especialmente nisso que os bancos centrais estão trabalhando atualmente”, acrescenta Zeitouni, “para evitar falências de curto prazo, especialmente nos setores ligados ao lazer”.

/pcm/mr

istoé

× Como posso te ajudar?
%d blogueiros gostam disto: