A partir de hoje, passageiros que embarcam para viagens na rodoviária do Centro de Belo Horizonte encontram mudanças na hora de se dirigir aos ônibus. Agora, apenas quem tem passagem comprada vai poder acessar a área de embarque pelas oito plataformas a partir do saguão principal por meio de leitura eletrônica dos bilhetes de passagem, como ocorre nos aeroportos. Apesar da nova barreira, o acesso de idosos, crianças e pessoas com dificuldade de locomoção ainda poderá ter apoio de quem não vai viajar, principalmente para ajudar com as malas. Quanto àqueles que não pertencem a esse grupo, mas, ainda assim, precisam de ajuda, o terminal informa que disponibilizará carregadores profissionais, além dos quatro elevadores – a maior parte dos passageiros chega à área de embarque por escadas íngremes. Apesar da mudança, que busca mais segurança e comodidade, conforme a administração, usuários da estrutura do Centro – inaugurada na década de 1970 e a única em uma capital de 2,5 milhões de habitantes – cobram um terminal mais moderno e espaçoso.

O problema é que os dois lugares que poderiam representar melhoria para esse tipo de transporte não têm nenhuma perspectiva de avanço. Na área da nova rodoviária, que já deveria estar pronta no Bairro São Gabriel, Nordeste da cidade, nem sinal de obras, que chegaram a ser anunciadas na gestão municipal anterior ao prefeito Alexandre Kalil, mas não tiveram início. No Terminal José Cândido da Silveira, que funcionou como apoio à rodoviária do Centro entre 2012 e 2017, a situação é de abandono desde que a área foi fechada, em abril do ano passado.

Quando Márcio Lacerda ainda era prefeito de Belo Horizonte, em agosto de 2016, a administração municipal entregou o terreno onde está prevista a construção da nova rodoviária, com lotes cortados pela Rua Jacuí, no São Gabriel. No local chegou a ser montado um canteiro de obras e muitas máquinas atuaram fazendo terraplanagem dos terrenos, dando a impressão de que a construção finalmente começaria. Mas gradativamente as máquinas foram saindo e ficou apenas uma pequena parte do canteiro de obras, protegida por um segurança.

Nem um metro quadrado foi construído no terminal previsto para receber 80 mil pessoas por dia, com possibilidade de aumentar as vagas para embarque de ônibus nos picos de saída da capital e aumento do desembarque no maior movimento de chegada. A nova rodoviária custaria R$ 60 milhões à empresa que venceu a outorga para operar o terminal, com a contrapartida de poder explorar o espaço por 30 anos. O contrato com o Consórcio SPE Terminal está em vigor, de acordo com o município. A empresa está fazendo a segurança da área e estão sendo reavaliados com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes os acessos ao terminal.

Após assumir a Prefeitura de BH, Kalil classificou o projeto como uma “aberração absoluta”. “Se a população de Belo Horizonte não sabe, a saída da rodoviária (do São Gabriel) é no Anel Rodoviário. Então como é que eu vou fazer uma rodoviária que vai trazer um tráfego para onde eu quero tirar?”, disse o prefeito, no início deste ano, em referência às tentativas dele próprio de reduzir o movimento na perigosa rodovia que corta a capital.

Outro espaço em que não há perspectiva de mudança no que diz respeito ao transporte coletivo rodoviário é o Terminal José Cândido da Silveira, anexo à estação homônima do metrô, na Região Leste de BH. Entre 2012 e 2017, o espaço funcionou como apoio à rodoviária do Centro da capital, chegando a receber 8% do movimento da unidade central. Eram até 2,8 mil pessoas diariamente em feriados, entre embarques e desembarques para viagens interestaduais rumo ao Espírito Santo, Belém, Brasília, Campos dos Goytacazes (RJ) e São João da Barra (RJ).

A Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), que é a atual administradora da rodoviária do Centro e também gerenciava o terminal alternativo da José Cândido quando foi desativado, informou em abril do ano passado que o fechamento se deu devido a reclamações dos usuários e pela falta de possibilidades de investimentos no local, já que o imóvel pertence à União. Hoje, o abandono toma conta do espaço. Os equipamentos da antiga lanchonete improvisada ficaram expostos ao tempo, se deteriorando. Os guichês de venda de passagens estão bloqueados por pedaços de madeira e as cadeiras acumulam poeira. “Isso aqui é um grande desperdício. Se funcionasse oferecendo conforto aos passageiros, poderia desafogar o trânsito da rodoviária do Centro”, afirma o aposentado Antônio Francisco Rodrigues, de 62 anos.

APERTO Apesar da possibilidade de desafogar o Centro, a salgadeira Ermelice Augusta Ribeiro, de 77, comemorou o fechamento da área da José Cândido da Silveira. “Lá era simplesmente horrível. Prefiro ficar apertada aqui, no Centro. Belo Horizonte precisa mesmo de uma rodoviária nova, que seja maior e mais confortável, mas que seja mais próxima do Centro, e não tão longe como no São Gabriel”, considera. Ao descobrir que a área de embarque da rodoviária central só poderá ser acessada por quem tem passagens compradas, ela se preocupou. “Como vou fazer com as malas? Eu normalmente preciso de ajuda para carregar tudo”, afirma.

Informada de que os idosos poderão receber ajuda para descer a escadaria com as malas, ela disse concordar com a mudança. “Na área de embarque tem que ser realmente quem vai viajar”, diz ela, que vai pelo menos três vezes por ano a Guarapari (ES), para visitar familiares. O administrador hospitalar Marco Aurélio Arantes, de 54, faz avaliação semelhante, ao dizer que em cidades como o Rio de Janeiro ou São Paulo o acesso ao terminal de embarque já é permitido apenas para quem vai viajar. “Dessa forma fica mais seguro. Mas Belo Horizonte precisa de uma rodoviária com uma estrutura melhor e com mais conforto”, afirma.

A recepcionista Aparecida Sena, de 50, conversou com a equipe do Estado de Minas ontem, enquanto aguardava o ônibus para Monte Carmelo, no Alto Paranaíba. Ela já tinha viajado de Belo Oriente, no Vale do Rio Doce, onde mora, para a capital mineira. “Só ando com muita mala, quero ver como vou fazer para descer com isso tudo. Acho que seria importante ter um lugar com mais horários de ônibus e com instalações melhores”, opinou.

Melhorar segurança é um dos objetivos

De acordo com a Codemge, o controle do acesso ao setor de embarque da rodoviária de Belo Horizonte estará presente nas oito escadarias de acesso ao terminal e também nos quatro elevadores. A empresa informou ainda que a mudança tem como objetivo otimizar a organização interna e o fluxo de pessoas, além de melhorar a segurança e comodidade dos passageiros.

Ainda conforme a companhia, obras e adaptações têm sido feitas para melhorar a situação da rodoviária, como reformas de banheiros, colocação de pisos táteis, bebedouros acessíveis, cadeiras especiais (semelhantes às de aeroportos), guarda-corpo no estacionamento e no mezanino, corrimão nas escadas que dão acesso às plataformas de embarque e desembarque e na entrada principal e a reativação das esteiras rolantes, que estavam sem funcionar havia mais de 40 anos.

A companhia promete também implantar, até o início do ano que vem, uma maquete para melhor orientação dos deficientes visuais. Desde que assumiu, a Codemge afirma ter investido R$ 6 milhões no terminal. Contudo, não há qualquer intenção de ampliar a estrutura, conforme o órgão ligado ao governo estadual.

Sobre o Terminal José Cândido da Silveira, tanto a Codemge quanto a Prefeitura de BH se limitaram a afirmar que a área é de responsabilidade do governo federal, administrada pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). O EM tentou ouvir a CBTU sobre o assunto, mas a companhia não se manifestou até o fechamento desta edição.

Estado de Minas

Comentarios

Comentarios