Os quatro homens detidos como suspeitos de participarem do roubo a banco e do assassinato de um militar e de um morador em Pompéu, na Região Centro-Oste de Minas, tiveram a prisão preventiva decretada na madrugada desta quarta-feira. Ontem, eles foram encontrados em locais diferentes, com rádios comunicadores na frequência da PM. Conforme a polícia, dois são de Betim e Curvelo e têm ampla ficha criminal, com envolvimentos em roubos, tráfico e homicídio.

“Quatro presos em relação às ações em Morro do Ferro e Pompéu tiveram a prisão preventiva decretada. Três veículos foram apreendidos e duas armas de fogo recuperadas. Agora, as diligências continuam no sentido de capturar os outros infratores”, disse major Flávio Santiago, chefe da Sala de Imprensa da PM.

Na madrugada dessa terça-feira, bandidos chegaram em cinco veículos à cidade de Pompéu, um deles em uma moto. Armados com fuzis e espingardas calibre 12, eles tentaram trancar a porta do quartel com correntes. Atiraram várias vezes contra o imóvel e os militares revidaram, evitando que a entrada fosse fechada.

Logo em seguida, comparsas explodiram agência do Banco do Brasil. Militares que chegaram ao local foram surpreendidos pelos bandidos e baleados. O cabo Osias Alves de Barros, de 33 anos, levou um tiro na cabeça e morreu no local. Outro militar da mesma patente, Lucas Reis Rosa, de 27, também foi atingido por disparos. Ele foi transferido para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, em estado grave e teve que amputar o braço de direito.

ENTERRO

O enterro do cabo Osias está marcado para às 8h desta quarta-feira no cemitério municipal de Martinho Campos. Ele era casado há dois anos com Amanda Aiala dos Santos Barros, de 25, e pai de uma menina de 10 meses.

Estado de Minas

Comentarios

Comentarios