O homem que provocou uma tragédia na manhã de ontem em Janaúba, no Norte de Minas, colocando fogo em várias crianças e matando pelo menos seis, premeditou o ataque. De acordo com investigações da Polícia Civil, foram encontrados na casa do vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, galões com combustível. Ele ateou fogo ao próprio corpo e, no meio da tarde, morreu ao sofrer uma parada cardíaca no Hospital Regional de Janaúba. “Também foi apurado que Damião marcou simbolicamente a data, pois há três anos seu pai faleceu”, afirmou a corporação policial, por meio de nota. Ele disse à família, na terça-feira, que daria um “presente” a todos, se matando em breve. As investigações apuraram ainda que ele era “obcecado por crianças”.

Em seu perfil em uma rede social, Damião se apresentava como uma figura pacífica e solidária. “Se alguém duvidar, visita minha família. Eu fazia de tudo para ajudar, nunca fiz mal a ninguém”. Ele escreveu pela última vez e publicou na segunda-feira, 2 de outubro, às 12h35. Ainda na manhã daquele dia, fez uma publicação dizendo que “tudo o que toca vira o que quiser”. No texto, postado às 9h54, ele diz que “sempre plantou amor, verdade, paz, felicidade e liberdade”. Além disso, o perfil mostrava mensagens confusas como, por exemplo, “tem gentes (sic) dando remédio escondido para padres ficarem com deprensão (sic) até eles associar (sic) ao mal depois deixa de dar que geração está esperando. Que país é esse?”. No início da tarde de ontem, o perfil foi excluído das redes sociais.

Em 2014, segundo informações apuradas pelo Estado de Minas, Damião começou a apresentar problemas psiquiátricos e chegou a fazer tratamento em uma clínica da cidade. Como servidor público, porém, ele nunca havia enfrentado ocorrências de ordem disciplinar ou qualquer desvio, de acordo com a Prefeitura de Janaúba. Ele trabalhava como funcionário municipal desde 2008.

Vigia do Centro de Educação Municipal Gente Inocente, creche onde ocorreu o crime, Damião foi ao local entregar um atestado médico, após período de férias. As causas que o levaram a agir ontem são ainda desconhecidas. “É uma situação muito complicada. Era um funcionário efetivo que estava de férias. Tinha acabado de retornar e foi até a Cemei Gente Inocente. Ele bateu no portão dizendo que entregaria o atestado médico, pois alegava que não estava passando bem. Era funcionário desde 2008 e nunca teve registro de ocorrência que a gente pudesse imaginar algo desta natureza”, lamentou o prefeito Carlos Isaildon Mendes (PSDB).

 Damião nasceu em 21 de maio de 1967, em Porteirinha, no Norte de Minas, a cerca de 28 quilômetros de Janaúba. O pai já é falecido, mas a mãe, os irmãos e o sobrinho moram na cidade onde ocorreu o crime. Damião residia no mesmo bairro onde se localiza a creche, em Rio Novo. A rua é de terra e ele não era casado nem tinha filhos. O acusado iniciou estudos em uma faculdade particular da cidade em um curso a distância de serviços sociais, mas não deu continuidade às aulas.

Nas redes sociais, comoção

A tragédia em Janaúba provocou comoção em todo o país. Nas redes sociais, a hashtag com o nome da cidade rapidamente alcançou a liderança como a mais postada no Brasil. No mundo, a palavra estava em quinto como a mais utilizada pelos internautas. A maioria das frases era de pesar pela perda das crianças. Por meio do Twitter, várias mensagens foram publicadas por internautas que prestaram solidariedade aos familiares das vítimas, cobraram justiça e se mostraram estarrecidos com o que ocorreu na cidade.

A cantora Ivete Sangalo foi uma das celebridades que prestaram solidariedade às famílias de crianças e funcionários da creche Gente Inocente pela tragédia ocorrida na manhã de ontem. Em vídeo publicado, a cantora se perguntou: “Por que é que a gente está chegando nesse nível de crueldade, de falta de alegria, de estar vivo, de fazer mal ao outro? Eu queria deixar aqui, se é que é possível, o meu lamento, a minha tristeza. Eu me junto a toda essa cidade, mães, creche, professoras”, se solidarizou a cantora.

O presidente Michel Temer lamentou o ocorrido por meio do Twitter: “Lamento imensamente essa tragédia com as crianças em Janaúba (MG). Quero expressar a minha solidariedade às famílias”, publicou o presidente em sua conta. “Eu que sou pai imagino que esta deve ser uma perda muitíssimo dolorosa. Esperamos que essas coisas não se repitam no Brasil”, finalizou. A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) também se pronunciou: “Manifesto meu profundo sentimento de dor e tristeza pelos fatos ocorridos na cidade de Janaúba, em Minas Gerais. Me solidarizo com as famílias das crianças mortas e com as crianças e adultos feridos no incêndio ocorrido na creche municipal. Desejo de coração que todos os feridos se recuperem”, afirmou.

Pelo país, vários internautas mandaram mensagens de solidariedade. “Uma notícia trágica dessa ocorrida em Janaúba é pra acabar com o dia de qualquer um”, disse Douglas Fernandes. “Com uma notícia ruim dessas, até o dia da gente automaticamente fica ruim também”, postou Sanya Tahys. “Horrorizada com o que aconteceu em Janaúba, minhas condolências às famílias e à população afetada”, diz Glória Costa. “Janaúba, o país está com vocês”, afirmou Victor Sampaio. “Nossa, essa tragédia de Janaúba me deixou mal, viu. Que Deus tenha misericórdia das criancinhas e dos familiares”, comentou Juliana. “Que triste o que aconteceu na creche em Janaúba… Eu não sei como alguém tem coragem de fazer algo contra crianças”, desabafou Ana Carolina.

Vida sustentada no campo e no comércio

Abalada pela tragédia de ontem, Janaúba, cujo nome de origem indígena significa algodão de seda – expressão de tamanha suavidade quanto a inocência das crianças –, não merecia ocupar destaque na imprensa nacional e internacional em razão da crueldade cometida no Centro Infantil Gente Inocente. Os primeiros moradores do território que abriga a cidade, fundada em 1943, foram gente sofrida: negros que fugiram do cativeiro e índios perseguidos por bandeirantes.

No último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2010, o total de crianças com idade até 6 anos no município somava 7.166, o equivalente a 10,7% de toda população à época (66.803). O número de habitantes subiu para 71.653 neste ano, ainda segundo o instituto.

Como se trata de uma estimativa (o censo é elaborado a cada 10 anos), esse balanço não foi destrinchado por faixa etária. Há sete anos, a taxa de escolarização de crianças e adolescentes de 6 a 14 anos era de 98,5%.

A procura de um futuro melhor, os habitantes de Janaúba têm no agronegócio e no comércio as principais fontes de emprego e renda. Afinal, o salário médio mensal de quem está no emprego formal é de 1,7 salários mínimos. Em Belo Horizonte, a título de comparação, a renda corresponde a 3,7 salários.

Estado de Minas

Comentarios

Comentarios