Com o desafio de se reabilitar, o Atlético começa hoje à tarde, na Cidade do Galo, a preparação para enfrentar o Sport nesta quarta-feira, às 19h30, na Ilha do Retiro, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. A expectativa é pelo retorno do centroavante Ricardo Oliveira, cortado por causa de virose minutos antes da derrota para o Flamengo por 1 a 0, sábado, no Independência.

No Recife, o Galo busca sua segunda vitória fora de casa no Brasileiro: ganhou do Atlético-PR (2 a 1), perdeu para o Vasco (2 a 1) e empatou com o São Paulo (2 a 2). No fim de semana, a ausência de Oliveira foi bastante sentida pelo alvinegro, que abusou dos cruzamentos, mas não encontrou um jogador de referência na área. O jovem Alerrandro, seu substituto, demonstrou nervosismo e saiu chorando após ser substituído por Thiago Larghi.

Depois da derrota, o treinador lamentou o desfalque do experiente atacante, artilheiro da equipe no ano, com 11 gols. “O Ricardo é um jogador que a gente considera muito consistente. Tem uma saúde muito boa, um desempenho consistente, a gente sabe o que esperar dele na hora que ele entra em campo. É um jogador em quem a gente confia bastante”, analisou.

Para o treinador, o Atlético se impôs mesmo sem o atacante, mas não foi efetivo. “Desde o início do jogo, a gente entrou a fim de fazer o gol, de dominar o jogo, de impor o nosso ritmo. Acho que isso a gente conseguiu, mesmo na ausência do Ricardo Oliveira. A gente lamenta ter perdido ele no vestiário, faltando 15 minutos para começar a partida”.

JOVENS Desde que assumiu o comando do Galo, Larghi tem aproveitado mais os jovens do grupo. Gustavo Blanco, de 23 anos, tomou o lugar do veterano Elias, enquanto Emerson, de 19, ganhou a posição de Patric na lateral-direita. No sábado, o gol do Flamengo nasceu depois de uma falha de Emerson ao tentar interceptar um contra-ataque. Vinícius Júnior partir em velocidade pela esquerda, avançou e tocou para Éverton Ribeiro emendar para as redes. A derrota para o rubro-negro custou caro ao Atlético, que perdeu a liderança, permanecendo com 13 pontos.

Mesmo assim, Larghi saiu em defesa do atleta, que fez apenas sua segunda partida no profissional. “Eu vejo com muita naturalidade o que aconteceu, porque faz parte para quem está ali dentro do campo. É um jogador que tem um potencial enorme”, disse o treinador.

Outro jogador defendido foi Alerrandro, de 18, que prometeu dar a volta por cima depois de não aproveitar a chance entre os titulares. “Se a gente não usá-lo de vez em quando em partidas como esta também, de alto nível, ele não vai amadurecer. Faz parte. Ele participou bem das chances ofensivas. Claro que a gente gostaria que ele tivesse marcado gol. Mas não foi só ele. Todos os jogadores nossos que estavam em campo poderiam ter feito um gol”, minimizou o técnico.

Estado de Minas

Comentarios

Comentarios